Ele não era do diálogo
Ela nem ouvia seus monólogos
Ele era convencido
Ela era mais complexa
Ele se dizia doutor
Ela estava doutorando e andando para isso
Ele achava que tinha um título
Ela estava certa de ter uma história
Ele não sabia o que fazer com as mãos
Ela era analógica, digital e ambidestra
Ele era monocromático
Ela era pura aquarela
Ele tomava qualquer uma se for gelada
Ela só bebia o que era candente
Ele era ele, sempre ele
Ela era sobre muito mais que ela
Ele queria seu epitélio
Ela escreveria seu epitáfio
Porque ele só queria um bundão
E ela sabia que ele era um

Compartilhar, Enviar, Imprimir?Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInShare on RedditEmail this to someonePrint this page