webometria, cibermetria, altmetria...

estudos métricos da informação e muito mais

Mês: Maio 2018

1science, um novo competidor para WoS e Scopus?

Fazia tempo que estávamos sem novidades no campo das bases de dados de artigos científicos. Para os estudos cientométricos o que se falava era de Web of Science, Scopus, Google Scholar e em alguns casos SciELO (que tem sido integrado às bases maiores). Hoje recebi uma dica pelo WhatsApp do Fabio Pinho, professor da UFPE e nosso Representante de Área de Comunicação e Informação na Capes, de uma nova base. Derivado do grupo da Science-Metrix [http://www.science-metrix.com/en], com sede em Montreal – Canadá, a 1science [https://1science.com] chegou com novidades e diz ser a maior base tratada de artigos com revisão por pares (o tratado ai é em função do Google Scholar). Quem me conhece sabe que não gosto de rankings com recortes convenientes, mas sigamos…

Focada em abarcar todo o tipo de produção, em qualquer idioma e de qualquer país, ela é bastante direta em facilitar o download de versões em acesso aberto de artigos ao integrar dados do ArXiV, DOAJ e SciELO. Seu CEO, Dr. Eric Archambault, comenta especificamente sobre a distorção para fontes de países do ocidente nas bases de dados, e sobre o desejo em várias esferas governamentais, corporativas e da academia de superar estas limitações. Com o objetivo de dar conta do desafio de romper com isso, a 1science delineou três frentes, com diferentes produtos. Os dois primeiros ainda não estão disponíveis, aparentemente, mas o último tem já uma recém lançada versão gratuita. Vamos a eles:

O 1figr [https://1science.com/1figr/] é um sistema para auxiliar na escolha de assinaturas de revistas científicas para instituições. Não há um acesso ainda direto, dependendo basicamente de contato com a empresa, mas entre os indicadores que eles prometem oferecer há a proporção de artigos em acesso aberto, o total de artigos publicados por sua instituição, saber as revistas que seriam de interesse assinar e o progresso da sua instituição na direção do acesso aberto.

1findr1 - free edition

1findr1 – free edition [https://1science.com/1foldr/]

Já o 1fdlr [https://1science.com/1foldr/] é um repositório institucional que auto arquiva documentos da sua instituição encontrados por busca e que com isso permite ser um concentrador de acesso a produção de sua instituição. O que for produzido em acesso aberto seria automaticamente incluído neste modelo de repositório.

E por último, mas muito importante, o 1findr [https://1findr.1science.com/home/] que vem em uma versão free e uma institucional e basicamente uma base de dados com cerca de 91 milhões de artigos (hoje) sendo 27 milhões em acesso aberto. Apresenta a partir da busca uma lista dos artigos e inclusive faz a inclusão do Altmetric Attention Score da Altmetric.com. Se o conteúdo for de acesso aberto há a possibilidade de fazer o download direto. É possível também exportar uma citação par ao artigo em 10 formatos diferentes (sorry, no ABNT!) ou para seu gestor de referências preferido.

resultado de busca para "altmetric" no 1findr - free editon

resultado de busca para “altmetric” no 1findr – free editon

A versão ainda é bem espartana na versão gratuita. Não tive acesso a versão institucional para avaliar. Deixa a desejar para o uso em estudos cientométricos, mas talvez ganhe corpo com o tempo. Parece bem interessante para uma busca por artigos pontual e online, já que não é necessário um acesso pago. A versão institucional, pela lista de features indicadas, está mais competitiva com as tradicionais WoS e Scopus. O site apresenta versões em Inglês e Francês (provavelmente Québécois, 🙂 ). Vamos acompanhar com o tempo como este nosso player vai evoluir, em suas diferentes frentes, e observar a reação de WoS e Scopus à esta “ameaça”.

Gerando referências on the fly

zoterobib, suas referências formatadas online

zoterobib, suas referências formatadas online

Quando se está produzindo um artigo científico, ou mesmo um trabalho de disciplina, precisamos ao final dele gerar uma lista de referências. Quem já é macaco velho em algum momento já usou, ou usa até hoje, ferramentas como Mendeley, EndNote ou Zotero para organizar tudo o que foi lendo ao longo do tempo e facilitar a citação enquanto vai escrevendo um texto. Eu sou do tempo do Papyrus, não aquele do Egito, mas um gerenciador de referências que funcionava em DOS (acrônimo para Disk Operating System – para os mais jovens, não vou explicar o que era um disco, Google it!). Na época havia também um software para Windows chamado Reference Manager, cujo nome já explica tudo.

Mas, tempo vai, Lei de Moore* vem, e o poder computacional no seu celular ou no seu desktop, e a banda larga (que no meu tempo era “bunda larga” mesmo, porque a gente sentava e esperava pra caramba!) fizeram com que hoje você abra uma planilha no Google Sheets sem ter que instalar um programa tipo Excel. Eis que então, finalmente, chega a versão online, expressa, prontinha e on the fly de um gerador e formatador de referências (dica do Dr. Ricardo Pimenta do PPGCI – IBICT/UFRJ). Dos mesmos autores de “Zotero, as referências ao alcance de todos”, temos agora o “ZoteroBib, porquê você não precisa saber a diferença entre Vancouver e ABNT”.

zoterobib, suas referências formatadas online

o zoterobib lhe permite escolher entre mais de 9.000 formatos de referências

O ZoteroBib [www.zbib.org], é dos aplicativos mais intuitivos que eu já vi. Coloque uma a uma as referências que ele vai formatar tudo para você e a mudança de estilo também pode ser feita na hora. Se tiver DOI, noooooossa! É coisa de um segundo, presto, ta na mão. Não requer prática nem habilidade, qualquer criança pode fazê-lo! Mas lembre-se de fazer primeiro suas referências antes de ajudar o passageiro ao lado. 😊

Tudo fica armazenado no seu navegador, então cuidado para não limpar o cache ou para não usar o modo de navegação anônima, ou vais perder tudo. Você também pode gerar um link para a bibliografia em andamento para acessar de outro computador ou compartilhar com outra pessoa. O link guardará o que foi feito até aquele momento. É com salvar os dados, mas na nuvem e com um código específico. E é possível exportar o que você fez para RTF, para importar no seu editor de texto preferido, salvar em formatos como RIS ou BibTeX ou até mesmo salvar para o Zotero.

zoterobib, suas referências formatadas online

algumas opções de exportação do zoterobib

Eu fiz uns testes e estou aqui maravilhado. Claro que no fundo é uma ferramenta que vai lentamente te mostrando a importância de ter uma instalação no seu computador de um gerenciador de referências robusto, como Zotero ou Mendeley. Eu gosto mais do último apenas e tão somente porque estou acostumado a usar e por ele exportar dados para o ResearchGate e para a Altmetric.com, mas há que se considerar que ele não é um produto livre como o Zotero.

Enfim, faça um teste, se impressione! Escolha para começar uns textos que você tem o DOI ou PMID para dar aquele efeito “Uau”!! Depois tente com coisas diferentes e comente sua experiência. Vai ser bem bacana esta troca.

 

* – Em tempo:  a lei de Moore é de 1965 e vem de um conceito que Gordon Earl Moore estabeleceu no qual o poder de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses. Hoje ela anda meio com a curva entortando, talvez acumulando força esperando a Computação Quântica, mas isso já é outro assunto.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén