webometria, cibermetria, altmetria...

estudos métricos da informação e muito mais

Categoria: altmetria (Page 2 of 2)

A “Tradicional Família de Propaganda de Margarina” e os divórcios no Maine EUA.

“Os números comprovam coisas”. Assim pensam aqueles que acreditam sem juízo nas estatísticas. Mas sem contexto, sem pensar se realmente uma coisa tem relação com a outra, podemos ser surpreendidos por aquilo que pelo acaso apresenta correlação perfeita. Assim, a população de pinguins de uma determinada espécie que habite uma ilha Antártica pode andar em linha com as instalações de Linux, ou quem sabe a produção de maças da variedade McIntosh cultivada no leste do Canadá seja um ótimo indicador da oscilação das ações da Apple.

Maçã da variedade McIntosh

Maçã da variedade McIntosh

Por conta disso, é sempre importante ver se o que se deseja testar faz algum sentido. O que você vai obter com seu teste ou com sua análise de agrupamento é uma resposta, quer você tenha feito tudo certo ou errado, que vai dizer se há ou não motivo para suspeitar que os dados aportados tem relação ou como estes deveriam ser agrupados a partir do que foi fornecido. Veja, você terá uma resposta, mas quem fez a pergunta, doida ou não, foi você. Não vai adiantar botar a culpa nos números ou achar que se está dito assim, logo algo deve ser torcido na relação espaço tempo para acomodar o absurdo proposto.

Não infrequentemente, vamos nos deparar com erros no uso ou na interpretação de dados a partir da aplicação de alguma metodologia, a qual simplesmente foi feita pelo pesquisador porque “todo mundo faz assim” e se “x<y” ou se “a” juntou com “b”, logo, que assim seja. Não é para menos que hoje o artigo com maior índice no Altmetric Attention Score seja um no qual se trata do mau uso do p – probabilidade de significância – estatístico [dx.doi.org/10.1038/506150a]. É para se pensar, e pensar novamente.

Por outro lado, para dar maior visibilidade a este absurdo, Tyler Vigen produziu uma série de casos de correlações espúrias no livro “Spurious Correlations”. Nele você poderá ver que ao contrário do que se pensa, consumir mais margarina não leva a famílias tradicionais mais felizes. Há uma correlação quase perfeita com a redução deste consumo e do número de divórcios.

Proporção de divórcios e per capta do consumo de margarina no estado do Maine - EUA

Proporção de divórcios e per capta do consumo de margarina no estado do Maine – EUA

Ao menos no estado do Maine – EUA, quanto menos famílias margarina, mais casamentos duradouros. Bem que eu nunca achei que ela serviria para besuntar as relações familiares. O absurdo da mensagem publicitária já falava por si só. Entretanto, é bem provável que hoje exista no Maine uma paróquia na qual se apregoe o uso da manteiga. Até o dia em que o pároco vá ver o Último Tango em Paris.

Mas, para aqueles que tem fé nos números, insisto que este post não se propõe a ser um desmonte. Apenas gostaria de alertar que cuidado e boas perguntas científicas nunca fizeram mal à ninguém. E se sabemos que o Aquecimento Global tem correlação perfeita com o desaparecimento dos piratas, o mundo tem salvação! Ahoy! 🙂

Compartilhar, Enviar, Imprimir?Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Google+
Google+
0Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Reddit
Reddit
0Email this to someone
email
Print this page
Print

Os Blogs estão morrendo? Viva os Blogs!!!

Fazia tempos que não escrevia no Blog. Talvez agora eu tenha uma boa desculpa para isso. Digo desculpa tanto para escrever, quanto para justificar minha ausência. Tudo fruto de um pouco de reflexão a partir deste congresso, o 5º Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria. Os números não mentem, claro, mas podem falar umas coisas bem estranhas e a gente entender errado. Ou quem sabe seja mesmo tudo resultado de uma apropriação indevida de seus objetivos originais. É… no fundo é isso ai. Mas, vamos lá!

Fui para o evento e tive três dias bem empolgantes. Palestras super interessantes em uma sequência rara e com trocas de ideias de fertilizar todos os campos da mente. Mas mais para o final é que veio a situação que me levou a sentar aqui e me dedicar a escrever este texto. Meu Blog está MORTO!!! Ao menos na definição do trabalho “O Estado da Blogosfera Científica Brasileira” de FAUSTO et al. (2016). O trabalho apresentado na mesa que coordenei (Informetria e Webmetria / Altmetria) por uma das autoras (Nathai Teresa Moreno) escolheu o critério de um ano de inatividade como critério para “morte cerebral” do Blog e gerou o atestado de óbito para parte da blogosfera brasileira. Talvez numa tentativa vã de salvar-me, sugeri que se avaliasse estatisticamente a frequência de postagens e depois de umas médias e desvios padrão se chegasse à um critério menos arbitrário. Confesso entretanto que esta “respiração boca a boca” provavelmente faria apenas com que esta minha pobre página estivesse em uma mais profunda decomposição. A única chance era renascer das cinzas, e este texto é minha tentativa inicial.

Mas saindo um pouco do foco e indo na direção dos dados da blogosfera analisados pelo trabalho, vemos que as notícias não são lá muito boas. Depois de um crescimento exponencial de 2006 até 2010, a partir de 2013 se inicia uma queda no número de Blogs científicos ativos cadastrados no Anel de Blogs Científicos (ABC) (figura 1)

Número de blogs ativos em função do tempo. Fonte: ABC Retirado de: FAUSTO, S.; et al. O ESTADO DA BLOGOSFERA CIENTÍFICA BRASILEIRA In: ENCONTRO BRASILEIRO DE BIBLIOMETRIA E CIENTOMETRIA, 5., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2016. p. A125

Número de blogs ativos em função do tempo. Fonte: ABC Retirado de: FAUSTO, S.; et al. O ESTADO DA BLOGOSFERA CIENTÍFICA BRASILEIRA In: ENCONTRO BRASILEIRO DE BIBLIOMETRIA E CIENTOMETRIA, 5., 2016, São Paulo. Anais… São Paulo: USP, 2016. p. A125

Uma justificativa levantada pela apresentadora foi de que isto seria resultante da popularização do Facebook e consequentemente da troca de mídia preferencial. Nas palavras dos autores “embora essas mídias não sejam incompatíveis (em geral blogueiros de ciência usam o Twitter e o Facebook para chamar atenção para o seu blog) certamente envolvem maior gasto de tempo pelo divulgador, ao ponto de o número de postagens em seu blog diminuir ou ainda chegar a termo, levando à extinção do mesmo.” (Fausto et al. 2016) Há outras conjecturas, como um amadurecimento da primeira geração de blogueiros e/ou uma nova geração mais engajada com as mídias sociais. O fato é que apesar de não se afirmar que se caminha em direção ao abismo, há uma tendência de baixa. Resta saber se os Blogs serão gradativamente substituídos por páginas no Facebook (que na prática poderiam ser entendidas como apenas um novo suporte em um agregador) e se dentro de algum tempo não veremos a migração das páginas para o já aventado Hello do Orkut. O futuro dirá!

P.S.: Tecnicamente, com este post, posso bradar “It´s alive!” como Dr. Frankenstein 🙂

Compartilhar, Enviar, Imprimir?Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Google+
Google+
0Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Reddit
Reddit
0Email this to someone
email
Print this page
Print

Truques novos para os macacos velhos da ciência

Já faz algum tempo que não escrevo, e isto se deve em grande parte a falta total de tempo. Dizia um amigo meu (Mauro Rebello) que quem tem Blog deve escrever sempre, não há desculpa para o silêncio das teclas. Eu ainda estou tateando nisso, admirado com os meus amigos que conseguem estar sempre postando um novo texto. Hoje, motivado por um texto que li a partir de uma indicação no Facebook, resolvi apenas fazer um convite à leitura dele e colocar aqui um ou outro pensamento à respeito.

Trata-se de uma reflexão muito interessante sobre a ciência e a produção de artigos segmentados a partir de uma mesma descoberta. Foi publicado no O Estado de São Paulo por Fernando Reinach com o título de Darwin e a prática da ‘Salami Science’. A reflexão é ótima diante do mau uso que temos das métricas tradicionais de avaliação do impacto dos artigos científicos (e das revistas nas quais são publicados) por intermédio da análise de citações. Somos seres adaptáveis e rapidamente se a regra do jogo para termos o próximo financiamento é produzir muitos artigos, “so mote it be!”. Mas o que preocupa a todos nós que trabalhamos com cientometria é que o uso que se fez de suas métricas passou a gerar um ruído no que se media. As motivações das citações agora são outras, ou pelo menos incluem outras razões.

Em meio a tudo isso, o movimento altmétrico apresenta um conjunto de métricas alternativas mais próximas da Web 2.0 e, por conseguinte, de uma Ciência 2.0. Mas se estas métricas podem revelar ou mesmo prever impactos futuros ou tendências nos campos de pesquisa, são apenas truques novos a serem aprendidos do momento em que estas forem usadas para definir os resultados de editais ou avaliar um pesquisador. Lamentavelmente estaremos sempre tentando prestar mais e mais atenção enquanto o ruído só aumenta com o tempo.

Compartilhar, Enviar, Imprimir?Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Google+
Google+
0Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Reddit
Reddit
0Email this to someone
email
Print this page
Print

Page 2 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén